Crime

  Para fins elucidativos, vamos definir crime como atentado violento contra a integridade física ou patrimonial, sendo assim, podemos dizer que o crime é uma ameaça constante em nossa vida; diariamente estamos sujeitos a sermos vítimas de todo o tipo agressão com uma freqüência só vista em outros países quando caos generalizado já se instalou. Esta é de longe a maior de todas as ameaças que nos afligem e portanto é a que deve ser analisada com mais cautela. Vivemos em uma terra sem lei e como a intensidade dos crimes tende a aumentar, é fundamental nos prepararmos para sobreviver.

Prevenção

  A melhor forma de evitar ser vítima de um crime é, como sempre, prevenir e a primeira e mais importante forma de prevenção é a moral. A grande maioria das pessoas negligencia o fato de que um comportamento moralmente elevado é uma das formas mais eficientes de se evitar ser vítima de um crime. Portanto, não consumir drogas, não se embriagar, evitar lugares mal freqüentados, não conviver com pessoas de má índole e seguir todos aqueles conselhos que seus bisavós lhe dariam é uma das melhores formas de prevenção. A moral funciona como uma blindagem, quanto mais rígida maior será a proteção. Reflita cuidadosamente sobre isso.

Defesa

  Antes de qualquer consideração a respeito de formas de combate é importante ressaltar que o mais importante para sobreviver em uma situação violenta é entender as motivações do conflito. As pessoas se tornam violentas porque querem algo, isso pode parecer óbvio, mas entender o quê o agressor quer pode ser a diferença entre a vida e a morte numa situação violenta. A violência pode surgir de milhares de formas diferentes e para dar uma resposta eficiente é necessário estar consciente do que está em jogo, por isso a correta interpretação das intenções e do nível da agressão é chave para sobrevivência. Para cada tipo de situação uma resposta diferente é necessária, portanto se apegar a “filosofias” populares como “Nunca reaja” ou “Seja macho, nunca dê mole para vagabundo” pode, e provavelmente vai, lhe custar caro. O machão e o covarde freqüentemente vão para a cova mais cedo, por isso quando estiver numa situação de risco pergunte-se:

  • O conflito pode ser evitado?

  • A situação me afeta diretamente?

  • Tenho tempo e meios para me defender?

O conflito pode ser evitado?

  Se o conflito pode ser evitado, evite-o. Essa é a hora de verificar as intenções do(s) agressor(es), se houver a possibilidade de fuga ou negociação faça-o, a intenção é sobreviver e não fazer coisas desnecessariamente arriscadas para contar vantagem depois, pois pode não haver um depois…

A situação me afeta diretamente?

  Há uma grande diferença entre defesa pessoal e defesa de terceiros, reagir para tentar evitar o roubo de um banco é um absurdo tão grande quanto não reagir quando alguém quer especificamente lhe ferir ou matar. Esqueça a defesa de terceiros e concentre-se na defesa pessoal. Defesa pessoal é, como o próprio nome diz, pessoal; se a ameaça não é especificamente contra você, ignore. Aqueles que não estão familiarizados com questões de segurança se surpreenderiam com as reações das pessoas que são ajudadas por terceiros, é impressionante como as vítimas salvas ofendem, agridem ou até mesmo processam judicialmente quem as salvou. Defenda apenas a si mesmo ou pessoas muito próximas, bancar o justiceiro ajudando desconhecidos só vai lhe trazer problemas.

Tenho tempo e meios para me defender?

  A correta compreensão da influência do tempo e dos meios numa situação de risco é fundamental para a sobrevivência, você deve analisar fria e honestamente se você é capaz de lidar com a ameaça em tempo hábil. Para facilitar a compreensão deste aspecto, voltemos ao exemplo do banco. Vamos supor que você esteja na fila de um banco quando cinco assaltantes armados com fuzis entram na agência e começam a roubar os caixas, as pessoas não estão sendo molestadas e você está desarmado, numa situação como esta você não tem os meios (desarmado e sozinho), nem o tempo (o assalto já está em andamento) e nem a motivação (o banco não é seu e tem seguro), portanto neste caso reagir seria uma completa insensatez. Agora imaginemos que você tenha ouvido um barulho do lado de fora da sua casa durante a noite, levantou-se, pegou uma arma de fogo e foi verificar a origem do som, se for um criminoso tentando invadir, não hesite, atire. Os meios (arma e munição) e o tempo (o barulho lhe alertou antes) são favoráveis e portanto você deve agir imediatamente para se proteger, neste caso esperar seria arriscado e insensato. Sempre analise cuidadosamente os meios e o tempo, isso fará muita diferença no final.

  Após analisar as formas de prevenção e as motivações para o ataque e para a defesa, vamos analisar quais habilidades são úteis caso a prevenção tenha falhado e você necessite lutar.

Habilidades

  A principal habilidade em um situação de risco é a atenção. Inúmeros assaltos, agressões e mortes poderiam ser evitados se as vítimas estivessem alertas ao que acontece ao seu redor. As pessoas geralmente costumam andar pela rua totalmente distraídas, estão tão absortas em seus pensamentos que sempre são pegas de surpresa pelos criminosos ou por acidentes. Se você estiver alerta para o que está a sua volta as chances de ter que lutar para se defender ou sofrer um acidente diminuem consideravelmente, mas se lutar for necessário você precisa desenvolver três habilidades: Habilidade com armas de fogo, com armas brancas e sem armas.

Armas de fogo

  Este é o melhor e mais eficiente meio de defesa, entretanto o governo desta infeliz nação faz de tudo para cercear o direito de autodefesa dos seus cidadãos, mesmo sendo algo expressamente contrário à vontade da população (vide o resultado do referendo sobre desarmamento) ele busca através da burocracia, taxas elevadas, impostos e barreiras na importação impedir o acesso até mesmo à armas de brinquedo. Não se deixe intimidar pela propaganda “pacifista” veiculada pela mídia (totalmente controlada pelo governo), o direito de possuir armas de fogo felizmente ainda existe e se você dispõe de meios, adquira quantas puder e procure se associar a outros proprietários, esportistas e colecionadores para eleger representantes e pressionar o governo a preservar e tentar ampliar o seu direito de defesa.

  Agora vamos analisar a questão tecnicamente, para nossa sorte, não é necessário possuir armas automáticas para se defender eficientemente, um simples revólver (.38) e uma espingarda (12) são suficientes para a maioria das situações, além de serem muito mais confiáveis do que pistolas semi-automáticas, fuzis e sub-metralhadoras. É importante salientar este aspecto, pois a maioria das pessoas acredita que quanto “maior” a arma melhor, que metralhadoras são o máximo em auto-defesa, mas não é bem assim. Antes de querer imitar o Rambo, analise taticamente:

  • Se houver algum problema com a munição do revólver o tambor gira e um novo projétil estará pronto para ser disparado sem a necessidade de tirar o alvo da mira, para contornar o mesmo problema com uma pistola semi-automática seria necessário fazer uma manobra que, mesmo com bastante treinamento, nem sempre será rápida e eficiente. Poucos segundos contam muito em uma situação de combate.

  • O mesmo raciocínio vale para a espingarda e fuzis ou sub-metralhadoras, além disso com uma espingarda é bem mais fácil atingir o alvo. Tome por exemplo o caso do “maníaco do cinema”, ele  colocou uma Uzi no modo automático e descarregou em um cinema lotado, mas se formos analisar o número de vítimas e a quantidade de projéteis disparados veremos que as mortes foram poucas, se ele tivesse utilizado uma “doze” ele seria forçado a apontar para cada alvo antes de disparar e como os projéteis da espingarda se espalham, haveria no mínimo uma morte para cada disparo. Armas automáticas são projetadas para situações de conflito de grandes proporções entre grupos organizados, mas se esse não for o caso um .38 e uma 12 são suficientes.

  Estando de posse das armas é necessário praticar, mais do que o treino de precisão (que é muito importante) é necessário ter conhecimentos sobre táticas de CQB (close quarter battle), conhecido também como CQC (close quarter combat). As técnicas de CQB são maneiras de combater e se movimentar em ambientes confinados, não adianta ser capaz de atingir um alvo a longa distância se não se sabe como se movimentar em combate, a maioria das situações de conflito ocorre à curta distância, portanto buscar o conhecimento de técnicas de CQB é mais importante que buscar a precisão absoluta.

Armas brancas

  Na ausência de armas de fogo a melhor opção para se defender é o o uso de armas brancas. Esqueça as armas exóticas orientais ou européias medievais, seja realista! Você não vai encontrar muitas espadas, alfanjes, manguais, escudos e afins por aí, adote o princípio de que se não pode ser encontrado na loja de ferragens ou no supermercado, não serve. É importante desmistificar o combate com armas brancas, quase sempre ele é rápido e violento, culminando na morte ou danos permanentes para um ou todos os envolvidos, e ao contrário do que muitos imaginam, geralmente acontece com armas improvisadas, não se parece em nada com os filmes de capa e espada. Analisemos agora os tipos de armas e as técnicas:

  • Tipos de armas – Adotar o princípio de que se não pode ser encontrado em lojas de ferragens não serve, pode lhe conferir várias vantagens no que concerne à economia e praticidade, você não vai querer perder ou danificar aquela lâmina caríssima importada de marca famosa em alguém ou executando algum serviço (armas brancas não devem ser só para combate), procure por coisas mais comuns que além de serem muito mais baratas podem ser repostas mais facilmente. Entre os instrumentos simples e baratos que podem ser utilizados eficientemente como armas, podemos destacar os facões, canos ou barras de ferro, machados, pás, picaretas, foices, correntes com cadeados na ponta, bastões com pregos, espetos de churrasco e tudo mais que for sólido, cortante ou pontiagudo que possa ser empunhado. Para porte discreto pode-se utilizar um canivete tático simples de marca nacional, uma chave de fenda, um soco inglês, um picador de gelo pequeno, eles cabem no bolso, fazem pouco volume e são fáceis de acessar, se você usar uma bolsa ou mochila pode levar uma machadinha ou uma picareta de camping, enfim use a imaginação, como não existem leis que restrinjam o porte de armas brancas, divirta-se.

  • Técnicas de combate – Apesar de servirem como inspiração, a técnicas de artes marciais tradicionais são pouco úteis para situações de sobrevivência por serem desenvolvidas para armas específicas ou para o campo de batalha, além de ser muito difícil encontrar um professor qualificado para fornecer instrução adequada. Para praticar use a lógica, existem apenas dois modos de se golpear, seja com ou sem armas, só se pode bater (ou cortar) circularmente e estocar. Pratique a força do golpe circular batendo ou cortando algo sólido e a precisão da estocada em alvos pequenos e/ou em movimento, o treinamento não é um bicho-de-sete-cabeças, você não precisa de um grande mestre de um país distante, treine com seriedade e a habilidade surgirá.

Combate desarmado

  Essa é a forma menos eficiente de se neutralizar um agressor, por isso o combate desarmado deve ser sempre a última opção em uma situação de conflito. Existe muita mistificação a respeito de técnicas de defesa pessoal e se você quer sobreviver a um conflito real é necessário ser capaz de  separar os fatos do “marketing” das artes marciais. Não se deixe levar por argumentos vazios como “arte milenar”, “a mais completa”, “secreta”, “usada pelas forças especiais”, ” a melhor para MMA (vale-tudo)”, a verdade é que as artes marciais são atividades recreativas e nenhuma delas lhe confere todas as habilidades necessárias para sobreviver, algumas podem até lhe prejudicar nesse sentido. Isso não significa que todo treinamento em artes marciais seja inútil, ele é bastante útil para desenvolver a coordenação motora e o espírito de luta e é recomendável que você obtenha a graduação de professor em ao menos uma modalidade tradicional, mas esperar que apenas isso o tornará capaz de se defender eficientemente é uma perigosa ilusão. Entre as muitas formas de combate esportivo, a que possui menos restrições é o MMA, mas mesmo assim as lutas acontecem em condições que raramente estão presentes em uma situação real, dificilmente vai haver um confronto entre dois oponentes desarmados, com hora marcada, em um lugar livre de obstáculos sobre um chão macio onde ambos se comprometam a não golpear olhos e genitais, além de contar com atendimento médico caso sofram ferimentos mais graves, portanto treinar para ser campeão de MMA não irá resolver seu problema em um conflito real. Entre as modalidades de combate não-esportivo pouquíssimas vão lhe conferir alguma habilidade útil para o combate real, pense bem, se você não for capaz de golpear algum material que tenha resistência semelhante aos ossos humanos sem se ferir, socar a cabeça de alguém é algo muito pouco inteligente, se já é difícil sobreviver em boas condições, imagine com as mãos quebradas…

  Portanto seja racional e jamais abandone seu senso crítico, não se deixe levar pela mídia ou pela conversa mole do primeiro “entendido” da esquina, pesquise bastante e pense! Ignore movimentos complexos e coreografados, títulos e graduações, excesso de músculos, nada disso fará muita diferença na hora de se defender de verdade, para poder se defender com alguma eficiência é necessário ser capaz de executar  técnicas simples de maneira automática e instantânea, o que só pode ser alcançado com treinamento sério, intenso e repetitivo. Sugiro que procure desenvolver nesse nível ao menos as seguintes técnicas:

  • Cair e rolar sem se ferir

  • Livrar-se de chaves e estrangulamentos comuns

  • Golpear olhos e pescoço com os dedos e golpes de mão aberta

  • Chutar os genitais e proteger os seus com movimentos das pernas

  • Esquivar-se de ataques diretos desarmados e com armas brancas

  Essas são apenas técnicas básicas, muitas outras podem ser aprendidas e todas podem ser bastante aperfeiçoadas, porém tão importante quanto as técnicas é fundamental possuir uma estratégia realista e muita vontade de vencer. Tenha sempre em mente mais de uma opção para finalizar o conflito e quando se decidir, não hesite. A estratégia e a determinação podem ser mais decisivas para a vitória do que a técnica em si.

  Aprenda bem o básico, seja honesto e realista na hora de se defender, você só tem uma vida.

Conclusão

  O crime é uma ameaça constante e está sempre em mutação, seja qual forem as formas de prevenção e defesa que você adotar, reveja-as periodicamente, estar atualizado a respeito das novas e diferentes modalidades de crime é indispensável para que seus esforços não sejam em vão. Esteja alerta, prepare-se  e SOBREVIVA!


 

Para mais informações entre em contato

Posts Relacionados

Adicionar a favoritos link permanente.

Comentários fechados.